Angolana lança livro digital com retratos das memórias de Angola

0
72
Marisol Kadiegi é uma fotógrafa angolana radicada no brasil. Foto: DR
- Publicidade -

A fotógrafa angolana e vencedora de prémios internacionais Marisol Kadiegi, radicada no Brasil desde 1986, vai lançar no próximo Sábado, 27 de Agosto, o seu livro digital, nas plataformas online.

Intitulado “Em mim mora memórias de uma Angola”,  o livro da documentarista angolana retrata as vivências de uma década, entre os anos 2007 e 2017, depois de retornar a Angola, de onde saiu há 31 anos.

“A obra surge da necessidade de preencher uma lacuna diante da percepção da falta de referências nos diversos campos de pesquisa sobre o povo negro e como forma de preservação de memórias em Angola”, avançou a profissional à agência Angop, tecendo ‘ma colcha de retalhos’ com pedaços da sua história, para reconstituir ou reter a memória da qual um dia foi subtraída.

Marisol Kadiegi  defende que Angola é representada sob o olhar de uma das suas filhas, onde a ancestralidade, a identidade, as tradições e a cultura são uma conexão chamada de memórias.

A obra de 133 páginas é repartida em quatro capítulos e sai sob a chancela da editora brasileira Oribê.

Licenciada em Comunicação Social e pós-graduada em fotografia como Suporte para a Imaginação (2021), pelo Espaço Cultural f/508, e em História Cultural, Identidade, Tradições e Fronteiras, pela Faculdade de História da Universidade de Brasília (Brasil), Marisol Kadiegi é fotógrafa, jornalista e documentarista.

É vencedora no Brasil dos prémios: “Mulheres Negras contam sua História”, em 2012, na categoria Redacção, atribuído pela Secretaria de Políticas para as Mulheres, da Presidência da República; “Brasília 60 anos”, em 2020; e “Mulher Negra 2021”, publicou o texto “Do Luto à Luta: A História de Três Continentes Marcados Pelo Racismo” (2012) e os artigos:  “Cinema de cozinha – a territorialidade do Cinema Negro no feminino” (2018), “Merê: territórios e territorialidades do cinema de cozinha” (2018).

Deixe o seu comentário
Artigo anterior“Recebi homenagem das mamãs que vestiram-me de forma cultural”, Adalberto Costa Júnior
Próximo artigoA pergunta de Adriano Mixinge aos partidos políticos – Fernando Guelengue

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui