Brasil: Biblioteca comunitária faz duas décadas a transformar vidas no Maranhão

0
212
Crianças, adolescentes e adultos exibem livros na Bibioteca - Brasil. Fotos: Cedidas
- Publicidade -


Vários povoados mais distantes do interior de Maranhão, São Paulo, Brasil, estão a receber projectos de incentivo a leitura e cultura para crianças, artesanato para senhoras e uma escola de futebol com 40 crianças da comunidade.

Esta revelação foi  feita pelo responsável do projecto Biblioteca Comunitária Poeta Ângelo Natanael, do povoado Bom Lugar, na cidade de João Lisboa MA, padre Ernane dos Santos Conceição.

Falando em exclusivo ao Marimba Selutu, o responsável afirmou que o projecto tem mais de 20 anos a transformar a vida de crianças, adolescentes e adultos de várias comunidades com a leitura, cultura, artesanato e desporto.

“Contamos com doações de livros de autores diversos e um dos escritores que tem doado os seus é Carlos de Carvalho Cavalheiro, de Sorocaba. Os que estiverem interessados em doar os livros podem enviar para Ernane dos Santos Conceição com o CEP 65922-000, UF: MA, Bairro Bom Lugar, cidade João Lisboa, rua 60”, frisou o religioso, acrescentando que foi criado um centro de artesanato que ajuda as senhoras na roça da lavoura que não têm outras fontes de subsistência.

Segundo Ernane dos Santos Conceição, a biblioteca comunitária existe há mais de 20 anos e o seu percurso histórico e principais dificuldades para se manter activa durante estas décadas, foram contadas em livro do jovem escritor João Marcos, intitulado “A Sombra da Gameleira”.

Dificuldades como de carregar vários livros na cabeça da capital do estado São Luís até ao interior da zona rural, percorrendo aproximadamente 18 kilómetros, uma das sonantes estórias difíceis que têm que enfrentar para manter o projecto activo até os dias de hoje, são narradas igualmente pelo autor.

A biblioteca conta com uma parceria com um Instituto Cutive, da Suíça, traduzida na prática como o facto de vários escritores suíços se deslocarem até aquela zona rural para ensinar literatura, vínculo que despertou o interesse do professor e escritor João Portinári, único filho de Cândido Portinári e um dos melhores artistas plásticos brasileiro que se destacou com o quadro Guerra e Paz, exposto na sede da Organização das Nações Unidas ONU, em Nova Iorque.

O responsável revelou que João Portinári pretende visitar o centro em breve, para constatar como os jovens aprendem sobre literatura e cultura naquelas condições. “Os livros da biblioteca são maioritariamente ofertados por pessoas que se revêem na causa, o que não tem sido suficiente”, lamentou o responsável.

O concurso literário, um dos grandes projectos da zona, tem ajudado a desenvolver o conhecimento de escrita e desenvolver as capacidades de redacção aos jovens, sendo que os mais destacados vêm os seus textos publicados no jornal da região denominado “O Progresso”.

Já o espaço “Um Minuto com o Leitor” aproxima os leitores com o autor da obra na zona rural, durante o quel o mesmo fala sobre a sua obra que os leitores já tiveram acesso para servir de motivação para aquelas populações.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorColectânea musical resgata músicos consagrados com pouca visibilidade
Próximo artigoPresidente da UNITA lamenta emigração de jovens artistas angolanos

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui