“Deus é uma mulher e negra”, defende Paulina Chiziane

0
67
Paulina Chiziane é uma escritora moçambicana que esteve recentemente em Angola. Foto: DR
- Publicidade -

Escritora conta que experiências de reclusas em Moçambique reforçam a sua ideia de Deus ser mulher negra. E diz que “África sempre viveu em pandemia” desde os tempos coloniais. Entrevista.

Paulina Chiziane, a primeira escritora africana a vencer o Prémio Camões, continua a celebrar este galardão junto do povo. Em entrevista à Lusa fala sobre as suas crenças, a sua experiência com mulheres em prisões em África e o impacto que a pandemia teve no continente.

A escritora revela, em entrevista à agência de notícias, em Lisboa, que as experiências que várias reclusas em Moçambique – algumas homicidas de companheiros agressores – partilharam com ela vieram reforçar a sua ideia de que “Deus é uma mulher, e negra”.

O primeiro contacto, em parceria com Dionísio Bahule, resultou no novo livre da galardoada escritora: A voz do cárcere.

Uma das lições que eu aprendi das mulheres que estão nas prisões é que elas, primeiro, não são ouvidas; e nós, que não estamos na prisão, que estamos em liberdade, às vezes inventamos campanhas para sensibilização, para o combate à violência doméstica e outros males, mas nós não ouvimos quem sofreu de uma forma direta ou numa prisão”.

A maior parte das mulheres, que Paulina ouviu, matou os maridos ou ex-companheiros. “Elas diziam: Eu sempre fui educada para ser fraca. Eu julgava que era frágil e eu julgava que era uma boa mulher, aquela mulher que não faz mal a ninguém. Fiquei surpreendida com meu poder e com a minha força. Mas descobri quem eu era no momento fatal? Meu marido é um homem forte, mas veio a morrer nas minhas mãos”.

A escritora defende que se ensine a mulher “a conhecer a sua verdadeira força”, para que aprendam a geri-la e não espere que essa força “aflore no momento fatal”.

“Dizia uma delas: Se eu soubesse que tenho mais força que o meu marido, hoje não estaria na prisão, teria tomado outro rumo para lutar pela vida dos meus filhos”, prosseguiu.

Sobre ser uma mulher na prisão, a escritora descobriu que as diferenças de género são abismais.

“O marido abandona, os pais abandonam, os irmãos vão nos primeiros dias procurar saber alguma coisa sobre elas e no fim é o abandono total. Mesmo nas visitas isso é visível. As mulheres têm menos visitas que os homens”, disse.

Pelo contrário, há um maior acompanhamento: “quando é um homem preso, a mãe está sempre presente, a esposa vai sempre, os filhos visitam. Então, a família fica muito mais despreocupada e dá mais apoio ao homem em presídio, porque a mulher fica completamente abandonada e depois com este lamento”.

Essa diferença também se faz sentir na hora de sair da prisão onde, segundo a escritora, para a maior parte das mulheres passa por um sofrimento terrível, uma vez que estiveram ausentes e os filhos muitas vezes foram deixados à sua sorte.

A escritora acredita que “todas as sociedades poderiam crescer um pouco mais se tivessem tempo de ouvir os relatos e as histórias das mulheres, das mulheres na prisão ou das pessoas que vivem na prisão, porque os homens também, há muito homens sofrendo”.

Esta experiência a ouvir mulheres presas reforçou a sua ideia de que “Deus é mulher”.

“Para mim, depois de Deus é a mãe. Olhando para esta experiência da prisão, para os diferentes tipos de família, quando a mãe está ausente, os filhos estão perdidos (…) Há um Deus invisível, que dizem que é o tal que criou tudo. Mas, na terra, existe uma deusa que vela pela sobrevivência de todas as espécies. E esse Deus é uma mulher”, explicou Chiziane.

“Agora, Deus é negra e por uma razão simples: se o ser humano foi feito à imagem e semelhança de deus, então Deus, desculpe, é muito parecido comigo. É negra e é mulher”, sublinhou.

Paulina Chiziane festeja prémio com povo enquanto os “sábios” recuperam

A escritora continua a celebrar a conquista do Prémio Camões junto do povo, mesmo dos que não sabem ler, ao mesmo tempo que os “que se acham mais sábios” ainda recuperaram do choque.

“Uma boa parte daqueles que se julgam os mais conhecedores, os mais sábios, sempre me olharam assim com aquele arzinho de doutor, eles no pedestal e eu sempre no chão – sempre gostei de pôr os pés no chão – e foi uma surpresa, um choque para alguns deles, mas ainda bem que foi assim, porque na verdade eu escrevo em português”, explicou.

A autora reconheceu que nunca imaginou existirem tantas pessoas tão interessadas em ouvi-la e em ler o que escreveu e só lamenta não ter braços para “os abraçar a todos”, os que vivem em África, Portugal, Brasil e em outros países que não falam português.

O que mais a surpreendeu foi “a celebração popular” e até de pessoas que não sabem ler, explicando que as pessoas sempre olharam para o Prémio Camões como uma coisa muito distante dos africanos.

“Sou a primeira pessoa de raça negra, negra bantu, a receber o prémio”, lembra, acrescentando que “as pessoas sempre olharam para este prémio com uma distância”, como “o prémio dos outros”.

“Se [o vencedor] não é um branco, vai ser um mulato, mas negro e ainda por cima mulher… (…) Agora, em todas as caminhadas, nós encontramos aqueles durões que acham que são os donos da língua portuguesa e são os donos da sabedoria”.

Paulina explica que, embora tenha estudado o português, que é a sua segunda língua, pertence a uma cultura bantu. Ao contrário dos puristas, que acham que a uma “boa língua portuguesa” tem de ser falada mesmo “à portuguesa”, a autora prefere a mistura de ambas as línguas, que recebe da mistura de culturas.

E a estrutura da minha língua bantu, onde é que fica? A estética bantu, onde é que fica? Não vou deitar fora as minhas heranças. Eu sou produto da cultura bantu e sou produto desta cultura que veio com a Europa e que se impôs na minha terra. A língua portuguesa é minha e eu vou usá-la como eu quiser”, salientou.

Conta que “a língua portuguesa, que tem origens na Europa e que traz consigo a cultura da Europa”, está em África, onde “foi imposta”.

“Nós aceitamos porque é um instrumento muito útil e muito importante. Mas esta língua não penetra tão bem no nosso mundo. Isto é, podemos comunicar-nos, mas existem alguns aspetos da nossa essência, da nossa fauna, da nossa flora e dos nossos mares”.

A escritora destaca como positivo o património de línguas do povo africano, que começa por aprender a língua materna e, muitas vezes, aprende o português, o inglês, o francês ou outras línguas para comunicar com os outros e trabalhar.

“Os africanos, em termos de línguas, têm um património por vezes maior do que o património de Portugal ou da Europa, porque quase todo o africano é obrigado a conhecer mais do que uma língua”.

Sobre os próximos temas da sua obra, Paulina promete insistir no que mais gosta: a vida e a existência.

“Eu acho que nós, como seres humanos, estamos deslocados da nossa própria humanidade”.

E dá o seu exemplo: “Eu sou africana, mas estou distante da África, apesar de estar a viver em África; é como se eu estivesse proibida ou fosse proibida por alguma lei de ser africana. Nasci num tempo em que não podia falar a minha própria língua. Estou a viver numa sociedade que olha para África como este lugar, não sei, de inferno ou inexistente. Estou a viver num mundo em que um africano não pode expressar a sua religiosidade e às vezes tem vergonha da sua própria raça, do seu cabelo e da sua maneira de ser. Este é o mundo que nós herdamos desses conflitos e dessas pirâmides que o mundo entende que deve construir para classificar seres humanos”.

A escritora sente vontade de contribuir para uma reflexão sobre tudo isso e tentar entender as razões pelas quais o mundo está tão desequilibrado.

“África sempre viveu em pandemia” desde os tempos coloniais

A pandemia de Covid-19 não assustou a escritora que diz que “África sempre viveu em pandemia, desde os tempos da penetração colonial”.

Se não foi a pandemia das guerras e dos terrores, dos horrores, foram as doenças. Nós, africanos, estivemos sempre num círculo de inferno. É por isso que esta pandemia a mim não me assustou”.

A escritora considera que é preciso reconhecer que em África a morte é gratuita, lembra que é um continente pobre, com muitos problemas por resolver.

“O meu país, aquilo que eu pude vivenciar, foram a guerra de libertação nacional, com as suas mortes, massacres e tudo, tanto portugueses como moçambicanos, matavam e morriam, não sei porquê, depois tivemos a guerra civil, que foi uma outra pandemia e durou 16 anos, depois foram aquelas guerras de apoio ao Zimbabué, África do Sul, etc”.

“E no meio de tudo isso, se não é cólera no centro do país, é a peste no norte do país, e a malária em todo o país. Agora Covid… Covid é mais uma”, declarou.

A escritora acredita que estas dificuldades históricas foram um dos aspetos que fez com que África estivesse “muito tranquila” no combate à pandemia. Um outro aspeto que destaca é que as pessoas experienciam uma vida mais natural por estarem menos aglomeradas, andarem mais a pé e estarem mais expostas ao sol.

“Claro que sofremos e estamos ainda a sofrer, mas o africano está habituado a sofrer. Que pena!”.

Em relação aos países ricos, Paulina observa que, “alguns países do ocidente e alguns países da América, sentiam-se senhores do mundo, detentores de uma grande ciência. Mas a Covid mostrou as limitações do ser humano e as limitações de toda a ciência e da tecnologia”.

A escritora gostou de ver na sua terra, Moçambique, um certo regresso às origens.

“Eu recordo que as ruas da cidade de Maputo estavam cheias de pessoas vendendo folhas de eucalipto, vendendo uma série de outras folhas que fazem bem para o tratamento da Covid”, referiu, acrescentando: “a Covid fez-nos parar para mostrar que o ser humano foi feito para viver com a natureza da natureza, porque ele é a natureza”.

Fonte: Lusa.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorIsrael Chezsny – “Órfãos de Pai e Mãe”, Fally Ipupa, New York
Próximo artigoConcurso homenageia centenário de Agostinho Neto

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui