Jornalistas recebem Nobel da Paz 2021

0
241
Jornalistas vencedores do Prémio Nobel da Paz 2021. Foto: DR
- Publicidade -

O Prémio Nobel da Paz foi nesta sexta-feira, 8, atribuído aos jornalistas Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitry Muratov, da Rússia, pela defesa da liberdade de imprensa e de expressão, anunciou o Comité Nobel Norueguês.

A distinção dos dois jornalistas resulta da sua acção profissional e “pela sua corajosa luta pela liberdade de expressão nas Filipinas e na Rússia. Ao mesmo tempo, são representantes de todos os jornalistas que defendem este ideal num mundo em que a democracia e a liberdade de imprensa enfrentam condições cada vez mais adversas”, justificou a presidente Comité Nobel Norueguês, Berit Reiss-Andersen.

“Sem liberdade de expressão e liberdade de imprensa, será difícil promover com sucesso a fraternidade entre nações, o desarmamento e uma ordem mundial melhor para ter sucesso no nosso tempo”, frisou Reiss-Andersen, acrescentando ainda que a atribuição deste ano do Prémio Nobel da Paz aos dois jornalistas “está, por isso, firmemente ancorada nas disposições da vontade de Alfred Nobel, o criador do Prémio Nobel.

Maria Ressa, 58 anos, “usa a liberdade de expressão para expor o abuso de poder, o uso da violência e o crescente autoritarismo” nas Filipinas, onde dirige o Rappler, um órgão de comunicação social digital que se dedica ao jornalismo de investigação e que cofundou em 2012.

O Comité Nobel destacou, em particular, o papel de Ressa e do Rappler na denúncia da “controversa e assassina campanha antidroga do regime” do Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte”.

Para o Comité, o número de mortes desta campanha é tão elevado que “se assemelha a uma guerra travada contra a própria população do país”.

Ressa e o Rappel também “documentaram como os meios de comunicação social estão a ser utilizados para espalhar notícias falsas, assediar adversários e manipular o discurso público”.

Dmitry Muratov, 59 anos, é um dos fundadores do jornal independente Novaja Gazeta, criado em 1993, e de que é chefe de redacção há 24 anos.

Para o Comité Nobel, trata-se do “jornal mais independente da Rússia, com uma atitude fundamentalmente crítica em relação ao poder”.

“O jornalismo livre, independente e baseado em factos serve para proteger contra abusos de poder, mentiras e propaganda de guerra”, disse Berit Reiss-Andersen.

Pelo seu jornalismo baseado em factos e a sua integridade profissional, o Novaja Gazeta é “uma importante fonte de informação sobre aspectos censuráveis da sociedade russa raramente mencionados por outros meios de comunicação social”, reforçou.

O Comité Nobel “está convencido de que a liberdade de expressão e a liberdade de informação ajudam a assegurar um público informado”.

“Estes direitos são pré-requisitos cruciais para a democracia e a protecção contra a guerra e os conflitos”, acrescentou.

Em 2020, o Prémio Nobel da Paz foi atribuído ao Programa Alimentar Mundial (PAM), pelo papel desta agência das Nações Unidas para acabar com a fome como “uma arma de guerra e conflito”.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorEscritor tanzaniano é o primeiro africano com Nobel da Literatura
Próximo artigo“Os Picantes” do Huambo vence Top dos mais Queridos 2021

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui