Oficina pretende preservar herança cultural da Dikanza

0
212
Jorge Mulumba é um músico angolano que preserva a ancestralidade.
- Publicidade -

Para além de garantir a continuidade da herança cultural do instrumento e criar a sua aproximação às pessoas, a iniciativa visa divulgar a importância do instrumento na tradição bantu.

A 2ª edição do projecto de formação e preservação do instrumento musical angolano Dikanza vai iniciar nesta quarta-feira, 7, nas instalações do espaço cultural Elinga Teatro, em Luanda.

A Oficina da Dikanza foi idealizada pelo instrumentista Jorge Mulumba e surge com o conceito de unificar os artistas e demais fazedores de artes num tempo e espaço, em prol da partilha de conhecimento. A inscrição está no valor de 1.500 kwanzas e conta com disponibilidade de apenas 15 vagas.

As aulas, que vão decorrer entre os dias 7, 8 e 9 do corrente mês, durante duas horas e 30 minutos (17h30 às 19h00), se enquadram numa parceria entre a Kaluandando.Com, o Elinga Teatro e o músico e compositor Jorge Mulumba.

Falando em exclusivo ao Portal Marimba Selutu, o mentor e coordenador da Oficina da Dikanza, Jorge Mulumba, fez saber que nos últimos anos tem estado a trabalhar para, na qualidade de pesquisador e artista, provocar os acontecimentos de forma mais práticas. “Estamos sempre a falar destas vontades de desenvolvermos a nossa música e os instrumentos ancestrais que todos conhecemos. Só que, ao invés de falar prefiro fazer mais”, reforçou o artista e porta-voz dos Nguami Maka.

Para além de homenagear os grande executantes deste instrumento musical como Fontes Pereira, (Fontinhas), Adolfo Coelho, Ressurreição e outros, o escritor Pepetela e a cidade de Luanda não foram esquecidos.

“É uma iniciativa da minha liberdade artística e acho que devemos nos doar para fazer acontecer iniciativas importantes como estas. Pretendo trabalhar para imortalizar aqueles grandes executantes de Dikanza que já vivem entre nós.”, finalizou.

A Dikanza é um instrumento musical de origem bantu produzido a partir de uma ana de bordão ou de bambum composta por várias ranhuras que tem como função produzir o som tocado por uma vara ou dedal, o “ula upe”.

Por meio deste instrumento musical é possível tocar nos estilos como o semba, kilapanga, kazukuta, boleiro, rebita, rumba e outros.

Deixe o seu comentário
Artigo anterior“Aprendemos que as imagens têm poesias, por meio da Fundação”, Drálton Máquina
Próximo artigoGilberto Melo – “Bíblia Sagrada”, Michael Jackson e Lubango

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui