Artista e fotógrafo norte-americano William Klein morre aos 96 anos

0
65
William Klein é um fotógrafo norte-americano que estudou na Sorbonne, em Paris, nascido em Nova Iorque, em 1926.Foto: DR
- Publicidade -

Conhecido pela sua dimensão inovadora e amplamente influente, William Klein revolucionou a fotografia com imagens fortes que traduziram a violência das cidades, numa carreira dedicada ao cinema e à moda.

O artista norte-americano William Klein, que contribuiu mais no ramo da fotografia, do fotojornalismo à produção na área de moda, morreu no Sábado, 10, aos 96 anos, em Paris, França. De acordo com a agência France-Presse, a revelação foi feita pelos familiares nesta segunda-feira, 12.

William Klein, que vivia em França há várias décadas, “revolucionou a fotografia com imagens fortes que traduziram uma certa febrilidade e violência das cidades, ao longo de uma longa carreira igualmente consagrada à moda e ao cinema“, escreveu a AFP, citada pelo Observador.

Nascido em Nova Iorque, em 1926, William Klein estudou na Sorbonne, em Paris, tendo começado por se dedicar à pintura, escultura e arte cinética, antes de se interessar por fotografia, mais ensaística e experimental, até chamar a atenção do editor Alexander Liberman, da revista norte-americana Vogue.

Ao mesmo tempo que fez fotografia de moda, William Klein  trabalhou igualmente em fotografia de rua, captando a essência de cidades como Roma, Tóquio, Moscovo e Nova Iorque.

A morte de William Klein é anunciada no dia em que encerra uma exposição antológica de mais de 60 anos de carreira no Centro Internacional de Fotografia, em Nova Iorque, revelando um artista pautado pela liberdade e que evitava a especialização, sublinhou esta instituição.

Artista multifacetado, William Klein fotografou muitas personalidades do meio artístico, de Serge Gainsbourg a Audrey Hepburn, trabalhou em publicidade e cinema, sobretudo documentário, retratando personalidades como Muhammed Ali e Little Richard, e alguma ficção, como as sátiras “Who are you, Polly Maggoo?” (1966) e “Mr. Freedom” (1969).

A propósito daquela exposição antológica em Nova Iorque, o jornal The New York Times recordava que William Klein foi um artista “amplamente inovador e influente“, que desprezou as convenções e as técnicas da fotografia.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorPortugal, o 2º país do mundo que mais exporta talento
Próximo artigoDomingos Fernandes lança “Memórias – Num Diário Fragmentado”

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui