Carlos Bobone lança “Monarquia” em Lisboa

0
239
- Publicidade -

O filósofo e colunista português vai apresentar esta terça-feira, 7, em Lisboa, o livro que analisa a influência da herança histórica que os princípios monárquicos têm exercido noutras realidades sociais que não as governamentais.

O título curto “Monarquia – história, doutrinas e heranças”, explica o objectivo do livro de Carlos Maria Bobone: traçar a história da monarquia enquanto regime político e filosofia social. Das sociedades primitivas à idade média; da ideia de soberania europeia às consequências resultantes das mudanças nos EUA e da Revolução Francesa; da relação dos monarcas com regimes autoritários à realidade as famílias reais contemporâneas. 

De acordo com a sinopse, a instituição monárquica é complexa, assume significados diferentes em tempos e cabeças diferentes que que percorre num processo histórico alargado, adoptando muitas formas.

Compulsar a história da ideia monárquica obriga, assim, a trilhar dois caminhos: por um lado, exige perceber como é que se formou a ideia monárquica no pensamento ocidental, e de que modo é que ela também impôs um tipo de sociedade.”, lê-se nas notas do autor português.

Carlos Maria Bobone revela ainda que a história da política ocidental é igualmente uma constante recuperação de alguns dos princípios monárquicos considerados caducos ou ilegítimos, que os governos recuperam de forma mais ou menos camuflada.

“A monarquia confunde-se, na história do Ocidente, com a articulação entre o poder temporal e o poder espiritual, com a divisão da sociedade entre as três ordens, com a passagem do centro da vida comum, representado nos tempos da Grécia e de Roma pelas cidades, para o campo.

Por outro lado, parece-nos igualmente necessário identificar a infiltração dos princípios monárquicos noutras concepções do mundo e noutras ideias políticas”, sustenta o autor.

Alfarrabista e filósofo, Carlos Maria Bobone começou a vender livros na feira da Rua Anchieta na sua adolescência, trabalhou na Livraria Artes e Letras enquanto frequentava o curso de Filosofia, chegando mais tarde a trabalhar para a Livraria Bizantina, fundada pelo seu pai. Colabora também com o Observador, onde escreve sobre livros.

Deixe o seu comentário
Artigo anterior“Quem diz que as palavras doem nunca levou um murro na cara”, Chris Rock sobre Will Smith
Próximo artigoAcadémicos criam associação de defesa dos sans de Angola

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui