Espectáculo “Isto é uma Mulher?” pretende gerar humanização

0
66
Espectáculo das coreógrafas Ana Clara Guerra Marques e Irène Tassembédo_2022oto by Rui Tavares
- Publicidade -

O espectáculo de dança “Isto é uma Mulher?”, exibido na União dos Escritores Angolanos (UEA), pela Companhia de Dança Contemporânea de Angola (CDCA), foi reprogramado para às 18h00 dos dias 3, 4 e 5 de Junho, no Memorial Dr. António Agostinho Neto (MAAN), em Luanda.

O objectivo da peça, que exibe a colaboração das coreógrafas e bailarinas Ana Clara Guerra Marques (Angola) e Irène Tassembédo (Burkina Faso), é integrar a construção de um lugar humanizado e evoluído onde ser mulher já não cabe nos paradigmas do passado.

De acordo com as responsáveis, em comunicado enviado ao Marimba Selutu, esta peça convoca o público à descoberta, desafiando-o a confrontar-se consigo próprio e a envolver-se num universo onde, em cada pergunta e em cada resposta, existe uma probabilidade de razão.

“Não se pretendem apresentar soluções, muito menos se tenciona homenagear, exaltar, mostrar compaixão ou assumir qualquer lugar comum, pretendendo-se apenas integrar a construção de um lugar humanizado e evoluído onde ser Mulher já não cabe nos paradigmas do passado”, alertaram as coreógrafas, sustentando que por falta de salas de teatro em Luanda, os espectáculos têm sido acolhidos e apresentados nos espaços exteriores das instituições seleccionadas (MAAN e UEA).

Uma das maiores figuras da Dança na África contemporânea, Irène Tassembédo é uma actriz, realizadora e antiga aluna da Escola Mudra-Afrique de Maurice Béjart em Dakar (Senegal) e criadora de coreografias originais que há mais de três décadas combina a dança contemporânea e africana, através de reinvenção de novas linguagens para a dança. Desenvolve projectos culturais, peças inéditas e com a sua Companhia, lançou o Festival Internacional de Dança de Ouagadougou, em 2013.

Dirigida pela angolana Ana Clara Guerra Marques, a Companhia de Dança Contemporânea de Angola foi fundada em 1991, é membro do Conselho Internacional da Dança da UNESCO, possui um historial de centenas de espectáculos apresentados em Angola e no exterior, com cerca dezenas de obras originais, sendo actualmente uma referência da dança cénica angolana no mundo.

Com 30 anos de existência e como parte do processo de transformação do panorama da dança em Angola, esta companhia tem sido aplaudida pela inovação na história da dança angolana.

Deixe o seu comentário
Artigo anterior“A maioria de nós vive distante da sua real matriz cultural”, Miguel Manuel
Próximo artigoMatias Damásio aconselha pobres a não se distraírem

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui