Programação Cultural do CCBA em Luanda/CPLP

0
272
Centro Cultural brasil Angola. Foto: DR
- Publicidade -

DIA 14 DE JULHO_2021 – 15:00

Mesa Redonda “Rua dos Mercadores – Memórias Partilhadas”, uma reflexão sobre a revitalização do espaço urbano da Baixa de Luanda, com a participação dos arquitetos Ângela Mingas, Susana Matos e Paulo Furtado, Cristina Pinto, Padre Celestino Epalanga e Sr. Carlos Bumba. Mediação: Cristina Câmara. Auditório do CCBA. Inscrições pelo telefone: +244 931 732 214 ou o e-mail: contactoccba@gmail.com.

DIA 15 DE JULHO_2021

Manhã:

Inauguração de edição especial da exposição coletiva “Kaluandando“, coordenada pelo artista Paulo Amaral, com elementos digitais audiovisuais produzidos com a participação de artistas de diversos países da CPLP. A exposição fica patente na galeria do CCBA até ao dia 1 de agosto.

Tarde:

– Inauguração de Mural de arte urbana (grafites) retratando itens do patrimônio histórico e cultural compartilhado pelos países de língua portuguesa (cada painel representativo de um país), pintada sobre a fachada do CCBA na Rua dos Mercadores. As pinturas são realizadas por artistas angolanos sob a coordenação de Thó Simões.

– Inauguração da Exposição “Rua dos Mercadores – O amanhã possível”, ao ar livre, composta por painéis que retratam o processo de revitalização de uma das ruas mais antigas e historicamente relevantes de Luanda.

– Animação de rua com o Grupo Abadá de Capoeira e o Grupo de Marimbeiros.

16h30 – Projeção de “Brasil – DNA África”, do realizador brasileiro Carlos Alberto Jr., no Auditório do CCBA. O documentário retrata uma série de brasileiros que voltam ao Continente-Mãe em busca de suas origens.

DIA 16 DE JULHO_2021

Manhã:

Passeio cultural “A Rota dos Escravos”. Organizado pela Associação Kalú, esta caminhada revela a história por trás de uma série de locais e construções significativas da Baixa de Luanda.

Manhã e tarde:

Colóquio – On-line “Patrimônios Culturais em Países de Língua Portuguesa”, ciclo de debates transmitidos online pela página do CCBA no facebook (www.facebook.com/centroculturalbrasilangola), organizados pelo professor brasileiro Yussef Campos, da Universidade Federal de Goiás e pelo professor Paulo Peixoto, da Universidade de Coimbra, com a participação de acadêmicos de diversos países de língua portuguesa, dentre os quais o angolano Paulo Soma.

Mesa 1 – Das 12:00 às 15:00

– 12:20-12:40 – Timor-Leste: ser e estar no espaço-tempo multicultural globalizado (Maria Helena Mattos Barbosa dos Santos, Laurentina Belo)

– 12:40-13:00 – Guiné-Bissau: tecendo engajamentos, protegendo lugares, animando sentidos (Maria Helena Mattos Barbosa dos Santos, Dedinha Domingos  Nancassa, Ciprino Correia Landim)

– 13:00-13:20 – A construção da memória da luta armada através das políticas do patrimônio de Moçambique: as ambiguidades em relação aos espaços ligados às experiências dos antigos presos políticos (Belchior Canivete)

– 13:20-13:40 – Dramaturgias do ‘Popular’ na reconfiguração patrimonial dos repertórios da “Páscoa na Idanha”, (Idanha-a-Nova, Portugal) (Pedro Antunes)

–  13:40-14:00 – Desafios de uma paisagem urbana em Cabo Verde – o caso do Mindelo (Marcela Maciel Santana)

– 14:00 – Debate- Mediação: Paulo Peixoto (co-organizador) e Bruno Zetola (Itamaraty)

Mesa 2 – Das 16:40 às 19:00

– 16:40-17:00 – Património histórico – cultural de São Tomé e Príncipe: questões da sua salvaguarda e preservação (Maria Nazaré de Ceita)

– 17:00-17:20 – História e patrimônio da Guiné Equatorial (Pedro Acosta Leyva)

– 17:20-17:40 -O “fato nacional” e a noção de património cultural na Assembleia Constituinte Brasileira (1987/1988) (Yussef Campos e Paulo Peixoto)

– 17:40-18:00 –  Políticas públicas sobre o património cultural em Angola (Paulo Soma)

– 18:00 – Debate – Mediação: Yussef Campos  (co-organizador) e Bruno Zetola (Itamaraty).

No sábado dia 17/7, as exposições inauguradas no dia 15 estarão abertas à visitação pública.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorErika Nelumba disponibiliza videoclipe da música “Faltou”
Próximo artigo“O racismo vem de pessoas que não estão bem informadas”, explica Maria Borges

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui