Angolano vence 3ª edição do Prémio Yaoundé Film Lab

0
102
A longa-metragem recebeu voto acessível do júri após a sinopse ter sido submetida como candidatura. Foto: DR
- Publicidade -

O filme de co-autoria do cineasta angolano Henrique Sungo e do santomense Felipe dos Anjos, venceu a terceira edição do Prémio Yaoundé Film Lab, uma iniciativa para formação e financiamento da União Europeia para talentos africanos da sétima arte.

Intitulado “A Planta Milagrosa”, a longa-metragem recebeu voto acessível do júri após a sinopse ter sido submetida como candidatura através do São Tomé Film Lab e será rodada entre Portugal e São Tomé, num processo de captação a iniciar este ano.

De acordo com o cineasta angolano, a residência artística vai promover uma oficina para capacitação e estudos, aprimoramento de técnicas de captação de imagens e sons, edição e cenários. “Na sequência da formação, o filme será financiado pela União Europeia, um investimento cujo montante ainda não foi determinado”, frisou o artista ao Jornal de Angola.

Os detentores do troféu, terão acesso a uma residência artística que decorrerá de 20 a 2 de Abril, do ano em curso, na cidade de Yaoundé, nos Camarões, que irá culminar com um financiamento para a produção do filme submetido.

O Prémio Yaoundé Film Lab é uma iniciativa de váris organizações internacionais que visa buscar talentos emergentes, cujas histórias são africanas, tendo como destaque o projecto “Créer em Afrique Centrale”, cofinanciado pelo programa ACP-UE Cultural, União Europeia e da Organização dos Estados África, à Comunidade Económica dos Estados da África Central e o Instituto Nacional das Artes.

O mesmo cineasta, junto do seu companheiro de torcida Filipe dos Anjos Henrique Sungo e Felipe dos Anjos estrearam no início do corrente mês, a mini-série “Tray São”, um drama amoroso, disponível na plataforma YouTube. São autores do filme “Vírus Inesperado”, vencedor da categoria “Documentário de Curta-Metragem”, da edição 2020 do London Art House Film Festival (LAHFF), uma competição para cineastas emergentes.

O filme retrata o impacto da Covid-19 na comunidade afro-lusófona em Londres.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorBarack Barack torna-se apresentador de documentários da Netflix
Próximo artigoFestival indiano com artistas angolanos

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui