Feira de Arte pretende promover turismo cultural de Angola

0
47
Organizadores da primeira edição da Africell Luanda Feira de Arte que vai decorrer no Palácio de Ferro. Foto: FG
- Publicidade -

A primeira edição da Africell Luanda Feira de Arte vai acontecer nos dias 19, 20 e 21, no Palácio de Ferro, na Baixa de Luanda. O evento conta com a participação de 5 galerias de exposição angolana e uma amostra individual em homenagem singular à artista angolana Maria Belmira.

Segundo o produtor do evento, Dominick Maia Tanner, o foco da feira é a promoção do turismo cultural em Angola mediante a formalização do trabalho dos artistas plásticos e o incentivo ao consumo das obras feitas no país.

“Apesar de sabermos que Luanda é a capital económica do país, as galerias selecionadas e aptas para apresentarem os seus trabalhos artísticos, nesta primeira edição, são de Angola e possuem uma forte presença internacional”, frisou o artista, durante a conferência de imprensa de apresentação da Feira de Arte.

O também produtor e colecionador de artes referiu que, depois de realizada a pesquisa de mercado, foram identificadas e convidadas nove galerias, e porém apenas cinco se mostraram disponíveis dentro dos critérios indicados.

“A galeria This Is Not A White Cube já abraçou outras capitais do mundo em termos de presença e produção. The Art Affair é um outro espaço angolano que começou de forma digital e investiu em filmes, exposições e neste momento está com uma exposição no edifício da Africell. A Tamar Golan está inserido num brilhante projecto da Fundação Arte e Cultura, na Ilha de Luanda”, explicou o também activista cultural, sustentando que todos os projectos presentes nesta edição são híbridos e para sobreviverem [em Angola], a maioria deles precisa de estar em Luanda.

Mário Nascimento é o director de parcerias do Grupo Africell Angola. Foto: FG

Para o director de parcerias da Africell Angola, Mário Nascimento, o apoio prestado à Feira da Arte é parte do seu programa de responsabilidade social da empresa e se enquadra com os pilares da Africell Impact Foundation.

“Estamos envolvidos em quatro pilares fundamentais, que são – a educação, o desporto, a saúde e as artes. Recentemente tivemos uma formação sobre liderança com impactos para líderes angolanos”, frisou.

Com o tema principal “De Angola para o Mundo”, o evento cultural vai expor e mostrar a qualidade das obras de cerca de 100 artistas angolanos, uma amostra individual, arte ao vivo e um programa de conversas com temas diversos sobre “Os desafios das galerias em Angola”, “Necessidades de um Museu de Arte”, “Formalização do trabalho artístico para a Economia Nacional”, “O Feminino na Arte em Angola” e outros temas que serão abordados por mais de 40 moderadores, colecionadores, curadores, críticos e jornalistas angolanos.

Questionado sobre as principais razões da escolha do tema principal, Dominick Maia Tanner esclareceu que não há uma resposta única e acabada sobre esta pergunta, mas existem na lista dos artistas angolanos que vão apresentar os seus trabalhos, alguns nascidos em várias partes do mundo. “Sabemos que todas as cidades de Angola são fornecedoras de artistas, por isso, estão a contribuir para que o trabalho seja divulgado de Angola para o Mundo”, justificou.

RICARDO CAPUCA EXPÕE

Sem avançar muitos detalhes, Dominick Maia Tanner fez saber que o artista Ricardo Capuca, da província de Benguela, vai inaugurar a sua exposição no ELA – Espaço Luanda Arte, nesta sexta-feira, 12, às 18 horas, no Palácio de Ferro, em Luanda.

“O Ricardo Capuca é um filho da Catumbela, província de Benguela, e acredito que, noutras galerias virão elementos e artistas que representam outras províncias do país, além de Luanda. São passos largos para descentralizarmos”, finalizou.

Estiveram presentes na conferência de imprensa de lançamento da Africell Luanda Feira de Arte, representantes das galerias Alexandra Gonçalves (The Art Affairs), Fernanda Manuel (ELA-Espaço Luanda Arte), Victor Alfredo (Sky Gallery Espaço D’Arte), Xavier Narciso (Tamar Golan) e Jamil Ramos (This Is Not A White Cube). O Palácio de Ferro esteve presente na pessoa do seu Director Geral, João Vigário, e pelo Grupo Africell Angola esteve o seu director de parcerias, Mário Nascimento.

A realização desta Iª edição contou com o apoio financeiro do Grupo Africell Angola, da Africell Impact Foundation, do Ministério da Cultura, do Governo Provincial de Luanda, da Espaços Angola/DOM, da Louca Loiça Decoração, da GEELY, da Xplore Angola – Agência de Turismo, da Made In Luanda, da Ayuê e da Água da Chela.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorMuseu Regional da Huíla recebe primeira Partitura Musical
Próximo artigoFilmes retratam violência contra mulher angolana

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui