Jornalista angolano lança primeiro livro em Lisboa

0
155
Israel Campos é jornalista angolano que lança livro em Portugal. Foto: DR
- Publicidade -

O jornalista angolano Israel Campos vai apresentar na próxima quinta-feira, 16, no Cine-Teatro Garrett, na Póvoa do Varzin, em Lisboa, à norte de Portugal.

Intitulado “E o Céu Mudou de Cor”, o romance do estreante escritor foi prefaciado pela conceituada colunista e ex-vice ministra da Educação de Angola, Alexandra Simeão.

De acordo com o autor, citado numa entrevista recente à Bantumen, o livro socorre-se de um contexto para retratar inquietações de ordem social, política e económica de uma região que deixa toda sua incógnita. “Há quem diga que ali a realidade descrita é a angolana, eu não sei. Compete aos leitores evocar se sim ou se não”, referiu.

E o Céu Mudou de Cor é um livro editado pela Kacimbo Editora, do escritor angolano Ondjaki e  apresenta uma perspetiva de um adolescente sobre a sua própria experiência social e daqueles que o circundam, sobre situações quotidianas como de outras questões mais complexas.

Capa do livro do jornalista angolano Israel Campos. Foto: Cedida

Nascido na capital de Luanda, em Angola, em Março de 2000, Israel Campos é um jornalista profissional e licenciado em Jornalismo pela City University of London e trabalha entre Luanda, Londres e Lisboa – à procura de respostas para os seus inquietantes porquês.

Mestrando em Comunicação Estratégica e Liderança, na Universidade Católica Portuguesa, e trabalha em comunicação social desde tenra idade, quando inicia como locutor de programas infantis na Rádio Nacional de Angola, aos 12 anos de idade.

Actualmente é jornalista freelancer para o serviço em português da Voz de América (VOA) e para o serviço mundial da British Broadcasting Corporation (BBC), tendo passagens por distintos jornais e portais de notícias como o jornal “O País” e o portal anticorrupção “Maka Angola”.

Foi vencedor do prémio “EU GCCA+Youth Awards for the best Climate Storytelling”, da União Europeia, em 2021; foi finalista dos prémios “Free Press Award” da Free Press Award em 2022 e  do prémio “Amnesty Media Award”, no mesmo ano. Foi homenageado pelo seu contributo jornalístico pela “Gala Afrodescendentes” em Zurique (Suíça, 2022).

Deixe o seu comentário
Artigo anterior“Totó ST é um contador de histórias da nossa realidade”, afirma Alcides Chivangu
Próximo artigoDistrito de Cacuaco vence carnaval e beneficia de biblioteca municipal

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui