Documentário acusa Michael Jackson de abusar dois adolescentes

0
111
Michael Joseph Jackson foi um cantor, compositor, e dançarino estadunidense. Foto: DR
- Publicidade -

O documentário sobre Michael JacksonLeaving Neverland, chocou o público após a sua estreia no Festival de Cinema de Sundance nessa sexta-feira, 25. A produção acusa o cantor de ter abusado sexualmente dois adolescentes.

Em resposta, a equipa do cantor lançou um comunicado. “Leaving Neverland não é um documentário, é o tipo de assassinato de um personagem dos tablóides que Michael Jackson sofreu na vida, e agora em sua morte. O filme mostra alegações não confirmadas que supostamente aconteceram há 20 anos e as considera factos”.

O comunicado também se referiu a Wade Robson e James Safechuck, que são o foco do documentário devido às acusações de abuso, como “mentirosos admitidos”. Além disso, também foi observado que as suas reivindicações já foram demitidas por um juiz depois de trazidas por meio de acções judiciais. “Os dois acusadores testemunharam sob juramento que esses eventos nunca ocorreram”, continuou o texto.

“Eles não forneceram provas independentes e absolutamente nenhuma prova em apoio às suas acusações, o que significa que o filme inteiro depende apenas da palavra de dois perjuros”.

Além disso, o comunicado ainda falou sobre o diretor do filme, Dan Reed, e acusou os cineastas de apenas entrevistar os acusadores e suas respectivas famílias. “Ao fazê-lo, ele intencionalmente evitou entrevistar várias pessoas ao longo dos anos, que passaram um tempo significativo com Michael Jackson e afirmaram sem ambiguidade que ele tratava as crianças com respeito e não fazia nada de mal a elas. Ao optar por não incluir nenhuma dessas vozes independentes que poderiam desafiar a narrativa que ele estava determinado a vender, o director negligenciou a checagem de factos para que pudesse elaborar uma narrativa tão descaradamente unilateral que os espectadores nunca chegassem perto de um retrato equilibrado”.

Notando que Robson havia anteriormente negado as acusações de ter sido molestado por Jackson, a nota alegou que “a sua família se beneficiou da gentileza, generosidade e apoio profissional de Michael até a sua morte”.

“Convenientemente deixado de fora de Leaving Neverland foi o facto de que quando Robon foi negado a um papel numa produção do Cirque du Soleil com tema de Michael Jackson, as suas alegações de abuso subitamente surgiram”, dizia o comunicado.

O texto também afirmou que “somos extremamente simpáticos a qualquer vítima legítima de abuso infantil”, mas que o filme “prejudica essas vítimas”. No final, sugeriu que isso “sempre foi sobre dinheiro”, o que os acusadores negaram.

“Agora que Michael não está mais aqui para se defender, Robson, Safechuck e os seus advogados continuam a desenvolver esforços para obter notoriedade e um pagamento manchando-o com as mesmas alegações que um júri considerou inocente quando ele estava vivo”, concluiu o comunicado.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorToty Sa’med comemora 2 anos de “Ingombota
Próximo artigoAssociação Chá de Caxinde comemora 30 anos

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui