Artistas repudiam detenções de manifestantes em Benguela

0
258
Manifestante a ser levado por agentes da Polícia Nacional. Foto: DR
- Publicidade -

Um grupo de 22 manifestantes da província de Benguela foi detido no último sábado, dia 3 de Julho, pelo Comando Provincial da Polícia Nacional, em Benguela. todos protestavam o índice elevado de mortes por malária e falta de condições nos hospitais que se registam na terra das Acácias Rubras.

A reportagem do Portal Marimba Selutu ouvir artistas e membros da sociedade civil sobre o desenrolar das prisões que está a ser encarada como “uma violação dos direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos”.

José Gomes, “Hata” é rapper e um dos promotores de manifestações de Luanda. Foto: DR

O músico e um dos 17 activistas detido no mediático processo 15+Duas, José Gomes, “Hata”, afirmou que estas detenções se enquadram no que o professor Nelson Domingos considera de “repressão pedagógica”, que visa oprimir aqueles que reivindicam para desencorajar o surgimento de acções futuras, principalmente de quem ainda não possui a cultura reivindicativa.

“E por outro, como a repressão está a subir de tom nesta altura que se aproxima o momento eleitoral, também é uma forma de abrir caminho para aceitação sem resistência de uma eventual fraude eleitoral”, sustentou o músico que tem trabalhado com plataformas de mobilização em favor da convocação das “autarquias sem rodeios”.

Sebastião Constantino é actor e jornalista comunitário do Ecos do Henda, jornal comunitário do Cazenga. Foto: Divulgação

Por sua vez, o actor Sebastião Constantino afirmou que a manifestação é um direito consagrado na Constituição da República de Angola. “Infelizmente, a mania de partidarizar tudo, leva os angolanos a fazerem mau uso das suas funções enquanto agentes da ordem pública”, frisa, acrescentando ainda que “o pior ainda é que quem detém passa pela mesma situação enquanto cidadão”.

Entre os artistas angolanos que se manifestam contra a violação dos direitos humanos em Angola constam o Bonga, Paulo Flores, Irina Vasconcelos, Ndaka Yo Wini, Kizua Gourgel, Kid MC, MC K, Ikonoklasta, Dog Murras e tantos outros.

Um dos nomes mais sonantes das manifestações do país é Hitler Samussuku, que na sua página oficial publicou nesta terça-feira, 6, uma fotografia da adolescente Florência Afonso, de 17 anos, que se encontra deita desde sábado último.

“Heroína Florência Afonso com apenas 17 anitos está presa desde sábado quando tentava manifestar contra as mortes por malária nos hospitais públicos. Liberdade para os 23 irmãos em Benguela já!!!”, lê-se na publicação do também rapper e politólogo.

O Movimento Hip Hop de Intervenção Terceira Divisão, que possui o lema “Acção, Reação, Equilíbrio”, condenou na manhã desta segunda-feira, 5, a forma arbitrária em que os manifestantes foram presos e solicitou a libertação imediata e incondicional dos mesmos.

“A polícia daquela província, mais uma vez, pôs-se a serviço da tirania, pisando toda lei e os direitos dos manifestantes, a luz do artigo 47° da CRA”, cita a nota de repúdio que o Portal Marimba Selutu teve acesso, considerando igualmente que o acto representa uma violação flagrante dos direitos e liberdades fundamentais dos cidadãos.

Entre os 23 activista detidos constam António Cachoti, Avisto Bota, Anastáncio Pepeca, António Pongoti, Artur Meteus, Carlos Tchilala, Carlos Domingos, Eliseu Tchivinda, Hermogeni Teneti, Jandira Manuel, João Afonso, José Sauto, Justino Ngado, Luís Tchissende, Mário Hulunda, Rui Martelo e Silvano Olímpio.

A nossa reportagem tentou, sem sucesso, ouvir versão da Polícia Nacional sobre a forma de detenção e práticas arbitrárias de que estão a ser acusadas.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorCantora e apresentadora italiana Raffaella Carrà morre aos 78 anos
Próximo artigo“É questionável a existência de presos por delito de consciência em Angola”, declara Paulo Júnior

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui