Jornalistas visitam e alargam conhecimento sobre a mina de Catoca

0
30
- Publicidade -


Uma comitiva de jornalistas de vários órgãos de comunicação social, público e privados e destacados na cobertura da 3ª edição do Festival de Música e Dança Regional Leste (Ngeya) deslocou-se no último Sábado, 29 de Junho, à mina de diamantes da Sociedade Mineira de Catoca, que dista há cerca de 34 Km da cidade de Saurimo, província da Lunda Sul. O escritor e docente universitário Albino Carlos e o director nacional  para as comunidades e instituições do poder  tradicional, Albano Cufuna fizeram parte da caravana.

A visita, que foi encabeçada pelo responsável do Sector de Comunicação e Imagem de Catoca, Mário Domingos, visou proporcionar aos jornalistas e demais visitantes um volume considerável de informações oficiais sobre o processo de extração de diamante desenvolvido por Catoca.

Para a entrada na mina, os visitantes foram recebidos com explicações detalhadas sobre a segurança e os principais equipamentos usados, e de seguida, deu-se a constatação «in loco» do processo percorrido da pesquisa até à lapidação dos diamantes.

Para o jornalista Pedro Mahula, a visita à uma fonte de extracção, como a de Catoca, contribui bastante para o alargamento e actualização de conhecimentos para os profissionais da comunicação social. “Falar com conhecimento de causa é mais seguro e melhor para o exercício da profissão, porque o objectivo principal do jornalismo é o de reportar os factos. Jornalismo é ciência, e o espaço que acolheu a nossa visita, é um campo científico, o qual casa com todos os objectivos”, referiu Pedro Mahula.

De acordo com o jornalista e director do Marimba Selutu, Fernando Guelengue, conhecer todo o processo de produção de diamantes é uma das formas de melhorar a qualidade de abordagem dos jornalistas que têm a responsabilidade de formar, informar e entreter o público.

Como parte do Plano de Responsabilidade Social de Catoca, o Festival de Música e Dança Regional Leste (Ngeya) foi concebido com o objectivo de se constituir num espaço de resgate e diálogo Interculturais sustentável entre os povos, de encontro de gerações e de construção de legado para a juventude, aproveitando os valores congregadores da música e da dança.

A primeira edição foi realizada na cidade do Dundo, Lunda Norte, a segunda edição decorreu na cidade do Luena, Moxico, sendo a cidade do Saurimo, Lunda Sul, o palco da terceira edição.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorMorreu José Ndalu, director da Rádio Cultura
Próximo artigo“Já não olhamos à responsabilidade social como esmola”, afirma Engrácia Soito João

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui