No dia 2 de Março, o artista vai apresentar o seu “concerto de continuidade”, onde cantará mais de 20 músicas e fará uma viagem de regresso aos seus sucessos que alimentaram as mais de três décadas de carreira musical.

A sua maneira de se apresentar em palco, com danças que deixam o público vibrante, marcou o percurso de um artista que dispensa qualquer apresentação.

O artista faz algumas revelações e não deixa de reconhecer que no mercado musical existem músicos talentosos, mas, segundo o mesmo, há muito amiguismo no trabalho de seleccção de artistas para projectos musicais.

Qual é o objectivo deste concerto, que muitos chamam de regresso de Walter Ananaz?
É um exercício de continuidade e uma postura diferente para aquilo que é a minha força no mercado. Penso que todos os artistas gravam (álbuns) e o mais natural é fazerem show, porque é o que dá o verdadeiro sustento ao artista. Precisamos de trabalhar e é natural que faça um show dessa dimensão. Porque, espectáculos mais pequenos, em alguns locais reservados, os tenho feito muitos. Agora, é importante dar este salto e entrar para esta seara (área cultivada) para fazer esse exercício maior, pois este ano é o de gravar um novo projecto e continuar a fazer grandes coisas.

É nossa vontade que o Ministério da Cultura crie políticas para tornar o nosso trabalho auto-suficiente e motivar as grandes marcas na, Lei do Mecenato

Qual foi a causa da sua ausência no mercado musical angolano?
Eu não considero que temos um mercado musical, embora muitas pessoas defendam isso. Penso que ainda trabalhamos muito com as preferências e amiguimos, mas conheço muitos bons profissionais que não são tidos e nem achados. O novo Governo (Angolano) tem estado a fazer um grande exercícios para que as coisas fluam naturalmente. Hoje, é nossa vontade que o Ministério da Cultura crie políticas para tornar o nosso trabalho auto-suficiente e motivar as grandes marcas, na Lei do Mecenato, para apoiar os promotores e todos os fazedores da arte. E, como nós já começamos há muitos anos, devemos motivar outras pessoas da nossa época e dizer aos mais novos que é possível (fazer música). Porque, sonhamos com um país em que cada um cresce na sua área profissional e não podemos ser todos advogados, políticos, economistas ou doctores, mas devemos respeitar a área de cada um.

Temos visto muitos shows em formatos playbacks, também será o seu caso?
Seria muito chato ir ao Centro de Convenções de Belas e fazer um show em playback. Penso que estaria a desrespeitar a sala e o público. Sabemos que o evento não é barato e financeiramente, as coisas não estão fáceis para ninguém na nossa terra (Angola). Logo, uma das formas de dar algo bom aos nossos fãs, é dar um concerto com uma execução sadia, para que as pessoas saiam de lá satisfeitas e continuem a dar-nos toda a força.

Quantas músicas serão cantadas?
Mais de 20 músicas devidamente seleccionadas.

Os ensaios servem para isso. Quanto mais exercitarmos, maior é a capacidade de expressar-se em palco

E como estão a decorrer os ensaios para o concerto?
Já tivemos um momento muito complicado, mas encontramo-nos num momento derradeiro em que conseguimos “limar algumas arestas”. Nesta altura, precisamos afinar mais (o nosso desempenho), para aperfeiçoar sempre e dar um resultado melhor ao público, pois os ensaios servem para isso. Quanto mais exercitarmos, maior é a capacidade de expressar-se em palco.

Para tornar esse seu concerto de continuidade possível, quantos dias de ensaios foram necessários?
Trabalhamos cerca de 30 dias de ensaios com única banda, que cuidará de todos os artistas convidados. Fica mais bonito que sejam os mesmos músicos…

Só para recordar, quanto tempo o Walter tem de carreira musical?
Muitos anos! A primeira vez que subi num palco, recordo como se fosse hoje, foi em 1985. Naquela altura, eu era um menino da Organização do Pioneiro Angolano – OPA. Também havia uma fase de adaptação quando eu chego na cidade de Luanda, onde tive apoios de artistas como Ângelo Boss, Mamborró, Maninho Teixeira, Sabino Henda e até encontrar o Henda Pitra, que já se encontrava com a sua banda formada. O meu contributo resultou na formação dos N’sex Love, que é um dos grandes projectos da música moderna angolana, particularmente a kizomba.

Já não regressa como grupo?
Não tenho problemas inerente a isso. Sei que os fãs fizeram muito por nós e tenho noção da dimensão do grupo. Eu, enquanto Walter Ananaz, sou um pioneiro naquilo que é cantar a solo. E das vezes que saio apareço com o meu irmão Nícol Ananaz. Mas, se alguém desejar contratar o grupo para alguma coisa, não há problema.

A primeira vez que subi num palco foi uma música revolucionária e numa composição do meu irmão

O seu irmão mais velho Cândido Ananaz, que cantava músicas revolucionária, foi quem o influenciou para o mundo da música?
Ele é o meu maior maestro na música. A primeira vez que subi num palco, foi com uma composição sua duma revolucionária. O Cândido Ananaz é meu mestre, professor e obrigou-me a conhecer os melhores (músicos) do mundo, na área que desejava trabalhar. Em casa, a minha mãe e o pai, sempre nos obrigavam a conhecer a música. Eu sou de uma família da arte, mas a minha mãe ouvia, essencialmente, música angolana de artistas como David Zé, Urbano de Castro, Nito Nunes, Prado Paim, Tony do Fumo e outros artistas que eram jovens. Já o meu irmão, obrigava-me a ouvir Michael Jackson e outros músicos que fizeram a minha influência.

Já o meu irmão, obrigou-se a ouvir Michael Jackson e outros músicos que fizeram a minha influência.

Para si, o que podemos fazer para termos um país melhor?
Penso que é melhor a gente melhorar a selva e depois colocarmos lá os nossos filhos, do que melhorar os filhos. Porque, encontrarão outras feras (na selva). Desta forma, eles (os filhos) poderão contornar qualquer situação a todos os níveis.

PERFIL
Nome:
 Walter dos Santos Ananaz

Naturalidade: Namibe, Angola.
Idade: 45 anos
Formação: Técnico Médio (Ciências Sociais)

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorJulio Iglesias volta a actuar em Portugal
Próximo artigoPrimeira-Dama da Itália visita Palácio de Ferro

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui