A’mosi Just a Label apresenta videoclipe da música “Somos o que somos”

0
104
A’mosi Just A Label é um artista angolano nascido de pais Bazombo na província do Uíge, na subetnia do norte de Angola. Foto: Divulgação
- Publicidade -

O músico e compositor angolano A’mosi Just a Label vai apresentar na próxima quinta-feira, 19, nas suas plataformas digitais e de forma exclusiva na RTP África, o seu novo videoclipe.

De acordo com a nota de imprensa da Konono Soul Music, enviada à redacção do Marimba Selutu, “Somos o que Somos”, é uma poesia que explora a narrativa impessoal, rebuscada em detalhes e a tomada da postura analítica natural.

A música é parte do primeiro álbum discográfico “Konono Soul”, lançado pelo artista no dia 29 de Abril último.

Com o foco no desenvolvimento do trabalho do artista, o vídeo oficial foi gravado em Luanda sob realização e pré-edição de A´mosi Just A Label, contando com a pós edição de Black Lavender e A’mosi Just A Label.

Filmado por Leonel Lyo, Tito Olivio e A’mosi Just A Label, o trabalho audiovisual foi colorido por Black Lavender e conta com as participações dos modelos Over Dose o Welwiano, Salomé Júlio, Emília Paulo e António Oliveira.

“A sua música Konono Soul é um set de ritmos, melodias e harmonias editadas do Konono ou bazombo e outras influências contemporâneas e urbanas com finalidade de produzir um som tradicional, ambiental, soul, eletrónico e pop através de textos e poesia baseados na intuição humana enfatizando o bem da natureza”, lê-se na nota.  

Nascido por pais Bazombo na província do Uíge, na subetnia que localiza-se ao norte de Angola, A’mosi Just a Label é uma forma existencial de um ser humano que se auto desqualifica ser visto como um nome.

Passou a ser conhecido através do seu Ep Oops!, lançado em 2014 sob sua produtora independente Konono Soul Music.

Um trabalho cujo o single Redentor foi nomeado no Top Rádio Luanda 2013 e no ano seguinte vence o mesmo concurso musical com o single Arts & Crafts.

Foi igualmente nomeado para os Angola Music Awards, tendo vencido prémio Le Reve Africain em França, em 2016.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorO boi nas nossas tradições – Carlos Carvalho Cavalheiro
Próximo artigoDjodje diz que foi burlado e humilhado na Guiné Bissau

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui