Angola acolhe 1º Fórum Agenda 2063

0
25
Flyer do 1º Fórum Agenda 2063. Foto: Comunika Selutu
- Publicidade -

A Plataforma Africana “Agenda 2063” vai organizar o Iº Fórum Agenda 2063, esta quarta-feira, 21, no auditório das Irmãs Paulinas, em Luanda. Especialistas angolanos, entidades governamentais, embaixadores, empresários e outros são parte dos convidados.

O evento, que tem como tema “O Impacto do Plano de Desenvolvimento Nacional 2018 – 2022”, pretende analisar a repercussão directa e indirecta do Plano de Desenvolvimento Nacional dos últimos cinco anos na vida dos angolanos e africanos residentes em Angola, apontar os maiores desafios que contribuíram para o impedimento da sua efectiva implementação e indicar caminhos para uma melhor planificação das acções para o desenvolvimento sustentável do país.

De acordo com o Secretário Executivo da Plataforma Africana “Agenda 2063”, Américo de Jesus Valentim Vaz, entre as várias formas encontradas para se obter respostas práticas dos problemas que afectam o nosso país e o continente, podemos destacar a análise, discussão e recomendações de projectos que congregam todas as forças vivas da Nação.

“Vamos procurar perceber melhor as falhas que estiveram na base da não implementação das políticas e estudaremos os modelos para contornarmos as dificuldades possíveis”, frisou o responsável em nota de imprensa chegada à redacção do Marimba Selutu, sustentando que os principais enfoques de fórum serão as políticas de Educação, Ensino Superior, Desenvolvimento dos Recursos Humanos, Saúde, Assistência e Protecção Social, Habitação, Cultura e Desporto.

Influenciados pelas sete Aspirações da Agenda 2063, da União Africana, jovens africanos criaram a Plataforma Africana “Agenda 2063” (PAA2063), uma networking de intercâmbio e conexão que visa criar uma rede para o desenvolvimento sustentável do continente.

A sua criação, além do propósito de trabalhar como actores e promotores da Agenda 2063, da NEPAD, da ZCLCA, do PIDA e do desenvolvimento sustentável, baseou-se no reconhecimento e na necessidade imperiosa de uma plataforma de jovens, para partilha de conhecimentos e ideias.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorJornalistas protestam e criticam perseguição em Angola
Próximo artigoVissungos – Carlos Carvalho Cavalheiro

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui