Vida de Joãozinho Morgado retratada em livro

0
131
Joãozinho Morgado é um percussionista angolano de referência. Foto: DR
- Publicidade -

Nos dias 18 e 21 de Novembro serão lançados, em Luanda, um livro biográfico e um documentário sobre a vida e obra de Joãozinho. O projecto encerra o ciclo de homenagens referente aos 74 anos de Joãozinho Morgado celebrado este ano.

De acordo com o Jornal de Angola, tudo começou com o lançamento em Fevereiro do single “Morgadinho”, do projecto “Turma da Bênção”, numa colaboração entre Paulo Flores e o Conjunto Angola 70 e co-produção da Mano a Mano. Os dois temas têm as participações de Joãozinho Morgado, Teddy Nsingui, Botto Trindade, Galeano Neto, Pirica Duia, Mayo Bass, Armando Gobliss e Pedro Coquenão do Batida. O formato deste projecto é em vinil, e em 33 rotações, como no passado numa edição limitada com apenas 500 exemplares.

Um livro está no prelo, uma iniciativa do amigo e admirador Ilídio Brás num trabalho de pesquisa que contou com a coordenação de Jomo Fortunato, jornalista e pesquisador cultural preocupado com a documentação e valorização dos protagonistas das artes em Angola. O livro será acompanhado por um disco com temas marcados pela participação de Joãozinho Morgado.

Um outro projecto em curso é o processo de gravação do documentário, com a realização de Nguxi dos Santos e coordenação da Brasom, do incansável Ilídio Brás. Imagens cedidas pela produção encontramos depoimentos de colegas e amigos nacionais, como Dionísio Rocha, Carlos Lamartine, Tito Paris, Mendes Brothers, familiares e dentre outras personagens que fazem parte da vida ou reconhecem o trabalho de Joãozinho Morgado.

Salienta-se que no dia 7 de Março foi realizado no anfiteatro Wyza, da Fundação Arte e Cultura, um concerto de homenagem no qual foram interpretados sucessos que têm as suas impressões digitais e que constarão no disco. Canções como “Lemba” e “Minha Cidade é Linda” na voz do amigo Dionísio Rocha com os Negoleiros Ritmos, “Kua Dila” de Teta Lando, “Bartolomeu” e “Nzenze” de Prado Paim, “Kuale Ngo Valodo” de Carlos Lamartine ou “Kamba Diami” de David Zé, tema dos anos 70, dentre outros foram interpretados por Mr Kim e Lito Graça. Este concerto teve mais uma vez o apoio de Ilídio Bras, numa produção de Mano a Mano.

Joãozinho Morgado é o homem que tem as mãos mágicas em muitos sucessos da música angolana, que deu a marcação ao semba e inovou na batida do kilapanga e como escreveu o Jornal Notícias ainda na época colonial, “Joãozinho Morgado com os seus bigodes refinados faz dos tambores o seu malabarismo” nasceu no dia 7 de Fevereiro de 1947 na travessa da Missão do São Paulo, no seu eterno B.O onde começou a despontar aos 13 anos de idade.

Fundador do Conjunto Os Merengues com os amigos Almerindo Cruz, Infeliz, dentre outros sem esquecer Geoveth, formação que mais tarde com Dionísio Rocha como vocalista torna-se uma das grandes referências. Em 1974 também participa na criação do Conjunto Os Merengues da Os Merengues, CDA-Companhia de Discos de Angola. Depois das passagens pelos Negoleiros e Merengues, esteve no Semba Tropical, Banda Madizeza, Banda Welchitchia, Banda da TPA, Mendes Brothers e Conjunto Angola 70 e outros projectos.

Importante frisar que o 7 de Fevereiro, data do aniversário foi o pretexto para a realização de actividades ao longo deste ano.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorPortugal acolhe feira internacional de World Music
Próximo artigo“No âmbito da mobilização para o voto, o teatro é fundamental”, Olívio N‘kilumbu

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui