O Cheiro do Shopping – Guigo Ribeiro

0
26
- Publicidade -


Selton, o ralo fede. Putrefato funcional. Funcional, logo, mais cheiroso que o shopping. Você já sentiu o cheiro do shopping? Ele fede! Ele fede a amargura de uma volta cara, por mais barato que seja. Fedem os corredores de acesso ao nada que, por mais que acessem, chegam sempre e determinantemente ao nada. Publicidade, moda, colesterol, diabetes, euforia, idealizações. Tudo com odor inferior ao rio que mais transporta fezes. Shoppings exalam a podridão anestesiada de bem-estar.

É sério!

O ralo é presença mais importante, se pensar legal, Selton.

Executivos transitam pelos corredores. Burgueses habitam seu espaço. Vestem caro, gastam muito e pagam o proporcional ao próprio vazio. Distribuem notas, transferências, crédito. São fedidos por mais que em seus pescoços estejam gotas de Paris.

É um cheiro que tento explicar. Você entende? É um cheiro de dinheiro jogado no ralo. Um cheiro de espaços reproduzindo qualquer coisa fashion. Um cheiro de consumo misturado ao vazio. É o cheiro do hálito do negacionista. Fede!

Um segurança fez valer a lei que botaram em sua cabeça: todo e qualquer sujeito presente que não carregue o odor predominante deve ser imediatamente enquadrado como suspeito, não carecendo nome, foto e dados em sistema. Só, somente só, a percepção olfativa. Assim, na escolha nasal, o segurança farejou presentes inaptos. Perguntas, olhares, detalhamento de valores em conta e respostas, deu a orientação: que se retire imediatamente após o uso de seu baixo orçamento. Selton, juro, o rapaz acatou, não sem antes exigir estar diante de alguém ou algo cheiroso no espaço. Saiu embaixo de pancadas e sob alegação de roubo (não furto) de um perfume.

Assim é e não me leve a mal. Não é sobre gostar de fedor do buraco no chão. É achá-lo mais útil que a beleza divida em lojas. E só.

Cê sabe que penso se não é em todo canto, Selton? Será?

Em Luanda cheira como?

Madrid fede, não?

Milão?

São Paulo sei que sim.

Tóquio?

Cheiros que insistem em parecer bons. Engano! A comida das redes tem cheiro de passado, a loja de sapato transcende o suor entre os dedos, a camisa, novas, mostram novas 8 horas de uso, totalizando 12 com coletivos. O estacionamento, pneus gastos e óleo. O banheiro, mesmo após a faxina, fede. E não é por conta do profissional que ali exerceu seu trabalho. É causa de algo que não se toca, vê. É outra coisa.

Ainda sim, Selton, parece bom.

Para alguns, não para mim. Para mim não, mesmo vivendo com o nariz entupido.
_____
Guigo Ribeiro é um artista brasileiro fazedor de literatura, música e teatro que tem estado a liderar e apoiar pessoas com deficiência através da prática de teatro com o grupo Museatro.

 

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorO artista morre, mas a sua obra permanece viva
Próximo artigoA Batalha do Vau do Pembe (1904): Um Capítulo Heróico na Resistência Africana ao Colonialismo Europeu – Carlos Carvalho Cavalheiro
Guigo Ribeiro
Guigo Ribeiro é um artista brasileiro fazedor de literatura, música e teatro que tem estado a liderar e apoiar pessoas com deficiência através da ptrática de teatro com o grupo Museatro.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui