Zé Beato defende censura de músicas difundidas na comunicação social

0
102
Zé Beato é um músico e compositor angolano. Foto: DR
- Publicidade -

O músico e guitarrista Zé Beato afirmou que o Ministério da Cultura Turismo e Ambiente deveria criar um comité de censura e vistoria para algumas músicas que têm sido difundidas nos meios públicos de comunicação massiva.

Em entrevista exclusiva ao Marimba Selutu, no âmbito do seu concerto denominado “os originais”, ocorrido em Fevereiro último, em Benguela, o músico considerou que, os órgãos privados são de outro âmbito. “Mas mete dó ligar os canais, quer de televisão como de rádio, pois quando se trata de música, posso dizer que, pelo menos 90% do que passa é prejudicial à juventude.

O país está a criar uma elite de ignorantes letrados”, lamentou o músico que canta em umbundu, kimbundu e portugês.

Quando questionado sobre o que pensa do contributo que o Ministério da Cultura Turismo e Ambiente tem dado aos artistas, Zé Beato referiu que nunca ouviu falar de qualquer apoio do órgão tutelado pelo académico Felipe Zau.

“Se o Ministério da Cultura Turismo e Ambiente tem dado apoio à qualquer artista em Angola, eu pelo menos nunca ouvi falar, e, nem estou a par. Como já disse anteriormente, o país precisa urgente de políticas viradas para o desenvolvimento artístico e cultural. E quando digo cultural não me refiro apenas às artes, mas à Cultura no seu todo. Somos um povo cada vez mais sem identidade”, acrescentou o artista que tem o Bob Marley, Pink Floyd, Caetano Veloso, Supertramp e Filipe Mukenga, como sendo suas maiores inspirações.

Para o nosso entrevistado, enquanto fazedor de arte, as suas aspirações além do reconhecimento é encontrar maior sustentabilidade no trabalho que faz, mesmo a viver num país onde a arte e a sua cultura não fazem parte da educação do povo, nem dos planos governativos.

Nos palcos há mais de 15 anos como artista profissional, Zé Beato almeja fazer parcerias com alguns nomes do nosso mercado musical como: Gari Sinedima, A’mosi Just A Label, Rosemary Sebastião, Vander Guitarra, Afrikanita e Eduina Semedo.

Notabilizou-se no rock, pop, reggae, trova, kilapanga, blues, mpb, bossa-nova, world music e outros. Actualmente, tem tês albuns: “Boomerang Karmiko”, com o Projecto Estrano Atractor em 2009, “CRU”, álbum a solo de 2014 e “Xinganje & Kaviula”, de 2021.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorCarnaval de Luanda homenageia 50 individualidades
Próximo artigoIsmael Mateus conversa com leitores no MAAN

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui