Poetisa Irene A’mosi vence Luanda Slam

0
15
Irene Amosi é uma poetisa angolana. Foto: DR
- Publicidade -

A artista multidisciplinar Irene A’mosi, sagrou-se vencedora da 8º edição da batalha de spoken word (poesia falada), realizada esta quarta-feira, 21, em Luanda. Nas edições 2020 e 2021, alcançou o segundo lugar.

De acordo com o Jornal de Angola, a grande vencedora teve direito a 50 mil kwanzas como prémio principal, acrescido de um dia no resort “Soroa”, e vai representar Angola no Campenato Internacional de Spoken Word.

Em segundo lugar venceu o Slamer Domingos Dembo, que recebeu trinta mil kwanzas e livros. Em terceiro lugar ficou José Paciência, que recebeu vinte mil kwanzas e livros.

No total deste evento que contou igualmente com um concerto musical da banda “Clinton Experment”, foram quinze concorrentes apresentaram poemas e textos de sua autoria, nesta que é considerada a batalha de spoken word mais antiga.

O projecto foi idealizado por um grupo de artistas, liderado pela slamer angolana Elisângela Rita.

Antes, na terça-feira, os dez maiores nomes femininos da palavra falada angolana (Spoken Word) foram homenageados nas celebrações dos cinco anos de existência do projecto poético “”Muhatu”, no Instituto Sapiens, em Luanda.

O evento de spoken word feito por mulheres reuniu no mesmo palco nomes como Ana Paula Lisboa, Nadir Morais, Sandra Bandi, Lua, Joice Zau, Luana Bartolomeu, Bel Neto, Irene A’mozi, Sankofa e Zola Kuzediwa, que mereceram os galardões da radialista Carla Pena e a actriz Renata Torres, membros do projecto.

As festividades decorreu com a realização do grande concurso de palavra falada angolana, denominado Luanda Slam.

Luanda Slam é um projecto independente sem fins lucrativos que existe desde 2015 e a presente edição teve como objectivo de elevar a cultura nacional, permitindo aos vencedores concorrer em espectáculo do género no exterior do país.

Deixe o seu comentário
Artigo anteriorBanda brasileira “Sepultura” é o primeiro cabeça de cartaz
Próximo artigo“É preciso mudarmos os dirigentes africanos que comandam a Cultura”, afirma Daniel N’xala

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui